Vinte Anos no Hiperespaço

Vinte Anos no Hiperespaço é um livrinho muito bacana que li esses dias. A publicação, lançada em 2003 pela Editora Virgo, é uma homenagem aos vinte anos do fanzine Hiperespaço, editado por Cesar Silva.

Curiosamente, o fanzine deixou de ser editado pouco depois do lançamento do livro. Provavelmente isso aconteceu porque em tempos de internet, e-books, revistas virtuais, etc., o fanzine tradicional, daquele tipo que era produzido de maneira quase artesanal, perdeu espaço.

O editor Cesar Silva, no entanto, continua ativo na literatura fantástica brasileira, com destaque para o Anuário Brasileiro e o blog Mensagens do Hiperespaço.

Lá em cima, eu disse que Vinte Anos no Hiperespaço é um “livrinho” bacana. E eu digo isso porque o livro é realmente pequeno. São apenas 60 páginas, mas não se deixe enganar. Os dez contos que compõem esta edição são de excelente qualidade. Cesar Silva é um cara reconhecidamente crítico. Ele sabe bem o que fala quando escreve suas resenhas e tem experiência o suficiente para selecionar bons textos, o que fica claro nessa coletânea.

O prefácio é de Marcello Simão Branco, que faz um resumo geral dos contos e um breve histórico do fanzine.

O livro começa com A Nova Revolução dos Bichos, de Carlos Orsi Martinho, um conto que brinca com o famoso livro de George Orwell, mostrando um futuro trágico para a civilização. Ou não. Quem sabe?

Bactéria, de Edgard Guimarães, é uma história muito interessante que começa discutindo vírus de computador. O autor brinca com possibilidades mais assustadoras ainda do que um simples vírus de computador que pode destruir seu disco rígido.

Androides Orgânicos Terão Cabelos no Peito, de E.R. Correa é uma história totalmente paranoica, dedicada pelo próprio autor a Philip K. Dick. Acho que esse foi o conto que mais me impressionou. Narrado em primeira pessoa, mostra como um homem pode começar a ter dúvidas de sua própria existência. A referência à novela que originou o filme Blade Runner é clara.

O cartunista Fernando Moretti nos traz o conto Paula, a Estranha. A moça não tem poderes telecinéticos como a Carrie de Stephen King, mas é bem estranha mesmo. Logo no começo do conto, já se sabe do que se trata, o que a princípio me decepcionou. A má impressão logo vai embora com o desenrolar do conto que é bem original.

Coleira do Amor, de Gerson Lodi-Ribeiro, é uma história bem interessante. Na verdade, essa é uma versão um pouco mais crua do conto de mesmo nome apresentado na coletânea Imaginários 1 . Passado num futuro não muito distante, esse conto lida com um amor sem fim e sem limites, e mostra as loucuras que um homem pode fazer por esse amor.

V.I.R.T.U.A.L., de Gian Danton, mostra uma expedição no espaco que encontra uma nave desaparecida há tempos. Lá, um novo tipo de “vida” é encontrado.

O experiente escritor carioca Miguel Carqueija vem com um conto agradabilíssimo de ser lido. O Monstro do Armário Embutido tem um certo tom autobiográfico e brinca com os medos que todos tivemos quando crianças.

Armagedom em Madureira, de Octávio Aragão, mostra o fim dos tempos de maneira até certo ponto cômica, com uma revolução de eletrodomésticos. Muito bacana esse conto.

Pré-Natal, de Roberto de Sousa Causo, é bem interessante. Começa com um homem que carrega dentro de si um feto. Isso mesmo, “grávido”. Por trás dos avanços em medicina e clonagem, um regime totalitário cujo ditador tenta literalmente se perpetuar no poder.

O último conto do livro é O Último Suspiro, de Cesar Silva. Numa terra distante e muito gelada, dois homens resolvem revolucionar o marasmo em que vivem, criando filhos para duelarem entre si. Claro que isso não vai dar certo, e vemos aqui uma crítica à sociedade. O conto tem ares de fantasia e é muito bem escrito. Fiquei me perguntando o motivo de Cesar Silva divulgar tão pouco seus trabalhos de ficção.

Gostei muito de Vinte Anos no Hiperespaço e recomendo a leitura. A qualidade dos textos é bem homogênea e nivelada por cima, muito melhor do que a grande maioria das coletâneas que tem aparecido. Além da qualidade dos textos, devo destacar o bom trabalho de revisão, que deixou o livro praticamente impecável.

O site da editora mostra Vinte Anos no Hiperespaço disponível aqui.

4 respostas para Vinte Anos no Hiperespaço

  1. Cesar Silva disse:

    Fico muito feliz que o livrinho tenha o agradado tanto, Daniel. A sua resenha foi tão generosa que até eu fiquei com vontade de reler. Muito obrigado mesmo.
    Quanto a seleção dos contos, tenho que confessar que os autores tiveram liberdade para escolher os trabalhos que queriam ver publicados, portanto, boa parte do mérito da seleção é deles e transfiro a eles o seu elogio.
    Grande abraço.

  2. Gian Danton disse:

    Muito bacana a resenha. E me sinto muito honrado de estar nessa seleção com um grupo de feras e organizada pelo Cerito, que é um dos caras que mais respeito no cenário da FC Nacional.

  3. Octavio disse:

    Oi, Daniel!
    Valeu pelos comentários sobre a antologia e por meu conto Armageddom em Madureira, que é um dos que gosto mais. Na verdade, gosto tanto que reescrevi o danado e ele acabou publicado em outra antologia, a Galeria do Sobrenatural, da Terracota, em 2009.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s