Farol do Espaço Profundo

Farol do Espaço Profundo, coletânea do escritor catarinense Roberto Belli, foi uma grata surpresa que veio às minhas mãos recentemente. O livro foi lançado em março deste ano de maneira independente, com o apoio da Prefeitura de Blumenau.

Em pouco mais de 160 páginas, Belli leva o leitor a diversas viagens e reflexões. São duas noveletas e quatro contos. O texto é simples e de leitura agradável, fazendo uma série de referências a diversas obras importantes da ficção científica.

Roberto Belli afirma que seu trabalho sofre influência de Isaac Asimov, Arthur C. Clarke e Stanislaw Lem, além do seriado Star Trek. Algumas dessas influências são bem perceptíveis em suas ideias.

O livro começa com uma noveleta muito boa, O Mar de Galant, uma ideia que começou com um conto e, segundo o autor, foi aumentando, aumentando… A história começa com uma expedição de socorro a um cientista isolado num planeta distante, estudando o tal mar que empresta o nome ao título. Esse mar tem características especiais, um comportamento que parece reagir à ação dos pesquisadores, sendo motivo de grande especulação. Logo de cara, vemos a forte influência que Star Trek tem nos textos de Belli. A primeira parte é uma aventura perfeita da série clássica. A noveleta segue, mostrando uma segunda expedição a Galant. Dessa vez, vemos não só Star Trek, mas a influência de Clarke, especialmente no contato com a entidade alienígena. O autor fez uma sutil homenagem às continuações de Encontro com Rama. Gostei muito dessa história.

Em seguida, temos O Farol do Espaço Profundo,outra noveleta com ar de Star Trek e forte influência de Clarke. Neste caso, temos a história narrada pelo capitão de uma nave transideral, uma nave criada para cruzar as distância interestelares. Numa missão de quase trinta anos de reconhecimento em um planeta distante, a transideral entra em contato com um artefato alienígena. A acertada decisão do capitão de não destruir o artefato a fim de estudá-lo é fundamental para que inúmeras maravilhas venham a ser apresentadas à humanidade. O tal farol do título é uma construção tecnologicamente centenas de milhares de anos à nossa frente. Além do lado filosófico, dos questionamentos que o contato com uma raça muito mais evoluída possam trazer, o conto tem um ritmo forte de aventura. Os momentos críticos (que eu não posso contar para não estragar a surpresa) são daqueles que a gente não consegue desgrudar os olhos do livro, com decisões de vida ou morte sendo tomadas uma após a outra.

O próximo conto é Tardio, uma narrativa interessante sobre uma inteligência artificial que retorna do espaço após séculos de pesquisa. O mundo está bem diferente, muito mais do que os criadores dessa inteligência supunham que estaria. E uma verdadeira catástrofe se abateu sobre a Humanidade.

Logo depois, temos Exodus, provavelmente o mais fraco dos contos deste livro. A Humanidade se vê forçada a escapar da Terra, frente à chegada de um buraco negro misterioso que vem devorando tudo no seu caminho. Fantasioso demais, até para FC; acho que foi isso que não me agradou no conto.

O próximo é A Especiaria Proibida, uma história interessante sobre um político corrupto que ganha um dinheirinho extra se aproveitando da ilegalidade de uma substância extraída da colônia que governa em Alfa Centauri. Num jogo político interessante, o homem é condenado, absolvido, vai do céu ao inferno e de volta ao céu, tudo graças a uma série de isenções, benefícios e trocas de favores. Alguém acha isso familiar?

O livro fecha com Projeto em Duas Partes, uma história de amor e viagem espacial. Tudo junto. Um conto tocante, de uma simplicidade que emociona. Ao término da leitura desse conto, admito que senti inveja e gostaria de ter escrito algo assim.

Bem, o livro não é perfeito. Apesar do texto agradável e das boas aventuras, Farol do Espaço Profundo se ressente da falta de uma revisão mais caprichada. Sendo uma publicação independente, o autor teve que se virar para cuidar de todos os detalhes do livro, o que requer um esforço hercúleo. Há alguns problemas com a diagramação também. Tudo isso já fica visível bem no começo do livro, então o que eu me propus a fazer foi curtir a leitura e passar por cima dos deslizes. Deu certo.

Gostei muito desse livro e recomendo. Quem se interessou, pode entrar em contato com o autor por email (robertocbelli@gmail.com). Além de adquirirem o livro, vão trocar mensagens com um cara super bacana e de papo muito agradável.

4 respostas para Farol do Espaço Profundo

  1. Roberto Belli disse:

    Olá, Daniel! Fico muito contente que você gostou do do livro! Principalmente porque sei que você é respeitado por ter uma opinião criteriosa e, como eu, um apaixonado por ficção científica. Obrigadão!

  2. Está aí uma boa dica de leitura. Parabéns pela resenha, mais uma vez muito bem elaborada. Fiquei com desejo de ler o livro. Boas resenhas produzem isso mesmo em nós, o desejo de conhecer e ler uma obra. Entrarei em contato com o Belli para adquirir o livro. Um abraço!

  3. hannysaraiva disse:

    Terminei de ler esse livro ontem. Curti muito a ideia do contato com a entidade através de cores e de “fantasmas” dos personagens em o Mar de Galant. =D

    • Daniel Borba disse:

      Oi Hanny, essa ideia eh realmente muito legal. No ultimo livro da serie de Rama (Arthur C. Clarke & Gentry Lee), ha algo parecido. O Roberto Belli, de maneira original, fez uma bela homenagem a esta serie.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s