ZDM: Terra de Ninguém

05/11/2010

Hoje é dia de quadrinhos! ZDM: Terra de Ninguém, de Brian Wood e Riccardo Burchielli.

Eu não acredito que tive essa HQ por tanto tempo e acabei ficando sem ler! ZDM é muito legal!!!

Nesse álbum publicado no Brasil pela Panini, vemos os EUA nos dias de hoje divididos ao meio após uma guerra civil. De um lado estão os Estados Livres, do outro estão os Estados Unidos (ou o que sobrou deles). No meio dessa guerra, está uma zona desmilitarizada (ZDM), que fica na Ilha de Manhattan.

Claro que a tal zona desmilitarizada não tem nada de desmilitarizada. Há inúmeras gangues, bandos organizados, crianças abandonadas e tudo mais que você imaginar na ilha. Ataques militares são comuns, vindos dos dois lados do confronto. Na verdade, a ZDM acabou ficando no meio da guerra, realmente como o título diz, uma terra de ninguém, onde cada um faz a sua lei. O cenário é o pior possível, uma zona de guerra totalmente destruída.

Quem nos conta a história é um fotojornalista em início de carreira, Matty Roth. Ele acaba acidentalmente “caindo” em Manhattan, sem armas, sem recursos e apenas com seu equipamento de trabalho. Há uma razão para ele cair lá assim, mas eu não vou contar, senão já estrago uma das primeiras sequências de ação do álbum. Superando as dificuldades iniciais, Matty consegue se comunicar com a agência de notícias para a qual trabalha, e passa a fazer boletins frequentes sobre a vida na ZDM.

Entre as “figuras” que Matty encontra estão Zee, uma estudante de medicina que passa a vida ajudando as vítimas da guerra, um maluco que usa mira telescópica para vigiar as redondezas e serve como anjo da guarda dos habitantes da ZDM, e um grupo de defensores do que restou do Central Park que usa métodos bem duvidosos.

Ao mesmo tempo em que vive seu dia-a-dia, Matty passa por inúmeras aventuras e mostra ao mundo uma região que até então estava desconhecida e esquecida. Gostei muito do ritmo da história e das sequências de ação que são muitas.

ZDM é uma crítica clara á política militar dos EUA. A sinopse na contra-capa diz: Travando diversas batalhas em outros lugares, o governo dos Estados Unidos negligenciou a verdadeira ameaça à sua integridade: milhares de milícias espalhadas pelos 50 estados que formam o país.

Independentemente da visão política e das críticas eventuais que faça, ZDM é uma aventura muito legal. O primeiro volume tem 128 páginas e dá pra ler fácil numa sentada só. Diversão garantida!


Star Wars – Dark Times

02/06/2010

Muito boa essa aventura dentro do universo Star Wars lançada mês passado pela Editora On Line.

O Caminho Para Lugar Nenhum é o primeiro arco de Dark Times, uma série que a editora vinha lançando mensalmente e que agora sai no formato TPB, com uma encadernação em capa mole mas bem caprichadinha.

A história se passa cerca de 19 anos antes da Batalha de Yavin e conta as aventuras de um Cavaleiro Jedi chamado Dass Jennir ao lado de seu amigo Bomo Greenbarck (veja a imagem dele na capa ao lado).

A ação começa em Nova Plympto, planeta do núcleo da galáxia que abriga os Nosaurianos, raça da qual Bomo faz parte. Logo após a Ordem 66 que praticamente exterminou os Jedis da galáxia (conforme aparece no Episódio III), o Jedi Dass Jennir acabou se aliando aos Nosaurianos, separatistas que ele combatia, na luta contra o recém-criado Império Galáctico. Em número muito menor do que os soldados imperiais, os Nosaurianos foram derrotados: os homens dizimados, as mulheres e crianças levadas para serem vendidas como escravos em outro planeta. Dass e seu amigo Bomo conseguem escapar e partem em busca da esposa e da filha de Bomo.

Logo no começo da história, aparece uma cena de violência implícita na ação dos soldados do império que eu gostei bastante. Foi apenas um quadrinho, mas que chamou bastante a atenção. Lembrou um pouco a execução da Ordem 66 no filme.

Outra coisa interessante que aparece é o conflito interno do “recém-criado” Darth Vader, apesar do papel coadjuvante desempenhado por ele e pelo Imperador. Lembranças dos momentos em que Anakin ainda pensava em se tornar um Jedi atormentam-no o tempo todo. Ele também tem lembranças sobre seus tempos de escravo e do sofrimento que tinha com sua mãe. A impressão que passa é que nesses momentos ele refletia sobre sua decisão de se unir a Palpatine. Isso é legal porque mantém o “clima” de Star Wars, mesmo que a ação seja toda em torno de um conflito que não aparece nos filmes. Eu já li algumas histórias que são tão, mas tão distantes de Star Wars, que acabam parecendo mais uma aventura qualquer, sem relação com a série.

Gostei bastante desse álbum. Agora é esperar pelos próximos lançamentos da editora. Procurei novamente no site deles, mas não aparece nada sobre o que eles pretendem fazer com os quadrinhos de Star Wars no futuro.


Star Wars – Knights of the Old Republic

26/04/2010

Li durante o final de semana o álbum em quadrinhos Knights of the Old Republic – O Começo, do universo expandido de Star Wars, publicado pela Editora Online. O álbum traz um arco composto por 6 histórias publicadas mensalmente nas revistas que a mesma editora vem publicando aqui no Brasil.

Meu primeiro comentário é: sacanagem! O álbum tem acabamento bem melhor do que as revistas, com a enorme vantagem de mostrar a história toda de uma vez, sem que o leitor seja obrigado a aguardar pacientemente o mês seguinte por mais vinte e poucas páginas de história. Muito ruim para quem comprou a revista todo mês.

Ainda bem que eu não fui um deles, porque ia ficar muito revoltado…hehe… Ah, ok… comprei 2 ou 3 edições, mas parei porque a qualidade delas é mesmo sofrível. Não entendo bem qual a intenção da editora. Infelizmente, o site deles não diz quais os futuros planos. Espero realmente que continuem lançando esses álbuns com arcos completos, mas vamos ver…

Bom, vamos ao que interessa. Já falei que o acabamento é bom? Ah, é razoável. Mas é bem melhor do que a maioria dos gibis que encontramos por aí, mas deixa a desejar se for comparado com os álbuns da Devir ou mesmo da Panini.  Como já devo ter deixado claro, me agrada o fato de publicarem o arco todo de uma vez. Publicar as histórias em arcos fechados está se tornando uma tendência nos EUA. O problema por aqui, é que o mercado não ajuda muito. Não sei se compensa para a editora lançar o material em partes numa revista mensal e depois relançar o mesmo material num único álbum, no formato que é conhecido nos EUA por TPB.

Sobre a história em si… Mostra eventos que acontecem quase 4000 anos antes da Batalha de Yavin 4 (quando Luke destrói a Estrela da Morte). O jovem Padawan Zayne Carrick é acusado injustamente de assassinar seus colegas de turma e passa a ser um fugitivo, encontrando aliados inusitados durante o caminho, ao passo em que cinco Cavaleiros Jedi (seu mestre e os mestres dos jovens assassinados) saem em sua perseguição. Durante sua fuga, Zayne acaba topando com espécies conhecidas. Vejam bem, espécies e não personagens, já que estamos 4000 anos antes dos filmes. Entre elas, destaque para um wookie invocadinho e um Jedi da mesma espécie que Yoda. Engraçado que quando eu vi a figura, já esperava que as palavras fossem sair fora de ordem..;)

Eu gostei bastante dos desenhos e do ritmo da história. Li tudo praticamente de uma vez só, o que é bom, mostra que o álbum não é cansativo. Confesso que também gostei de não ter que pensar….hehe… Tem algumas histórias em quadrinhos que são ótimas para relaxar. Essa é uma delas. Pura aventura e FC. Perfeito!

Agora é torcer para que a editora continue publicando esses TPBs. Tomara que as vendas sejam suficientes para tanto.